Campus Diadema • Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas
Câmara de Extensão Diadema

Culturas BR

Acessa a rede social do Culturas BR

culturasbr.jpg


O observatório Culturas Br, por meio de projetos científicos e culturais (envolvendo artistas, cientistas e povos tradicionais), pretende dar "voz" e "espaço" para as comunidades tradicionais.
Objetivos:

  • Criar ambientes favoráveis para ampliar a visibilidade das expressões dos povos tradicionais brasileiros frente aos desafios contemporâneos 
  • Realizar diversas atividades protagonizadas pelos artistas e povos tradicionais, tendo o cientista o papel de fazer a conexão entre eles.

O presente projeto nasceu a partir dos desafios contemporâneos pelos quais o Brasil vem passando, sobretudo nas questões: ambiental, cultural e educativa. A ideia é dar “voz e espaço” aos povos tradicionais que vêm sendo cerceados dos seus direitos de cidadãos brasileiros há séculos. É preciso mais do que postar nossas indignações nas mídias sociais e/ou trazê-las nas nossas “conversas de bar”. É preciso trazer elementos ao país, sobretudo aos seus gestores atuais, demonstrando que culturas brasileiras têm voz e que cada vez mais estão buscando fazer-se ouvir para que possam continuar existindo. Exemplo interessante dessa resistência é a encontrada entre os Paiter Suruí. Essa etnia tem uma grande articulação tecnológica e penetração na Europa. Possuem lap tops, tablets, celulares, produzem filmes, conhecem diversos países na Europa, muitos são formados em Universidades, fazem mestrado e doutorado em universidades públicas, desenvolvem projeto com a Empresa Google (com objetivo de proteger a floresta dos madeireiros) e com a Natura (desenvolvendo reflorestamento – créditos de carbono). Ainda assim, sofrem pressões/influências diárias de madeireiros, de fazendeiros, ONGs internacionais e de igrejas.

Por outro lado, a etnia Guarani possui o maior número de suicídio entre todas as 305 etnias indígenas no Brasil, e três vezes mais suicídios do que qualquer cidadão brasileiro não Guarani. É preciso que estas etnias falem sobre as suas questões atuais: facilidade e dificuldades; e tendo os artistas como parceiros nessas atividades, certamente terão mais atenção e “aceitação”, sobretudo por uma parte da população que ainda não é sensível à temática indígena, quilombola e dos demais povos tradicionais que ocorrem no Brasil.

 

© 2013 - 2022  Universidade Federal de São Paulo - Unifesp

Câmara de Extensão e Cultura • Campus Diadema

Rua Antônio Doll 105 - 2° Andar, Sala Extensão - Centro, Diadema - SP
Telefone: (11) 40440500 - Ramal 3465

Please publish modules in offcanvas position.